Quinta-feira
22 de Fevereiro de 2024 - 
Atendimento 24 horas em todo o estado do Rio de Janeiro

‘Prioridade é a informatização’, diz Mello Tavares à imprensa

Desembargador Claudio de Mello Tavares é entrevistado antes da cerimônia de posseNovo presidente do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), o desembargador Claudio de Mello Tavares afirmou, em entrevista no Salão Nobre antes da cerimônia de posse, nesta segunda-feira (4), que, em sua gestão, “a prioridade é a informatização”.“[Vamos] Terminar a digitalização de todos os processos para ajudar a sociedade, e com foco principal na celeridade – para que a Justiça seja mais rápida e para que a sociedade, o cidadão que busca a Justiça, tenha uma decisão judicial muito mais rápida para trazer paz e tranquilidade. Esta é a nossa meta principal”, disse.Leia também: ‘Estou saindo com uma sensação de dever cumprido’, diz Milton FernandesRenata Gil se reúne com dirigentes de associações e presidente do TJ-MASergio Ribeiro bloqueia mais de R$ 1 milhão da Prefeitura do RioAlém da celeridade, a informatização integra as medidas de economia da nova administração. “O papel, os processos físicos, são caros. A informatização será mais barata aos cofres públicos. Isto também dará ao cidadão a garantia de que seu processo será julgado mais rápido”, disse.Mello Tavares destacou a gestão de seu antecessor, o desembargador Milton Fernandes de Souza. Durante o biênio 2017-2018, período em que o novo presidente foi corregedor-geral da Justiça, “o presidente [Milton] cortou gastos, extinguiu e contingenciou cargos. Temos que pensar nisso para que possamos dar exemplo e fazer a nossa parte”.Além dos cortes de gastos, as audiências de custódia são outra medida da gestão anterior a ser mantida pela administração do biênio 2019-2020.Na entrevista, Mello Tavares afirmou que o principal desafio será a interlocução com os demais Poderes para combater a criminalidade. A situação carcerária do Estado do Rio foi abordada. Mello Tavares a qualificou como “uma panela de pressão”. O desembargador afirmou que a superlotação das penitenciárias poderá aumentar quando a regra de prisão aos condenados em segunda instância estiver em vigor.O novo presidente afirmou ser favorável à medida, “pois não é possível que uma pessoa que já foi condenada por um juiz e por desembargadores continue livre, podendo vir a prescrever o crime sem que ela seja punida. O que precisamos é viabilizar a construção de penitenciárias”.Perguntado sobre a necessidade de haver penas mais rígidas para determinads crimes, o presidente disse concordar, assim como com a continuidade das audiências de custódia. “Todos têm direito a uma Justiça célere, com direito ao contraditório e à ampla defesa. Tudo precisa ser em prol da sociedade”, afirmou.*Com informações do TJ-RJ

Notícias

Cadastre-se

E acompanhe todas as novidades do nosso Escritório

Contate-nos

Advogado Criminal Rio RJ  7589918
© 2024 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.