Domingo
18 de Novembro de 2018 - 
Atendimento 24 horas em todo o estado do Rio de Janeiro

Enunciados dispõem sobre penalidades aos magistrados

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou enunciados que consolidam entendimento do órgão sobre penalidades a magistrados que responderem a Processos Administrativos Disciplinar (PAD). De acordo com atos publicados no Diário de Justiça Eletrônico (DJe) no último dia 10/9, aposentadoria não é motivo para suspensão de PAD e tribunais não poderão, sem justificativa ética ou profissional, ultrapassar o período de dois anos em que um magistrado pode ficar em disponibilidade. Até junho de 2018, o CNJ contabiliza 87 punições determinadas pelo órgão a magistrados e servidores após julgamento de Processos Administrativos Disciplinares (PADs). A temática disciplinar superou todas as demais questões levadas ao Plenário do CNJ entre fevereiro e junho do ano passado. Julgamentos de demandas sobre concursos de acesso à magistratura, ao quadro de servidores e de serventias (cartórios) extrajudiciais somaram 23% do total de processos julgados no período. De acordo com a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), seis penas podem ser aplicadas a magistrados. Em ordem crescente de gravidade, são elas advertência, censura, remoção compulsória, disponibilidade, aposentadoria compulsória (estas duas últimas acompanhadas de vencimentos proporcionais ao tempo de serviço) e demissão. Sobre o tempo em disponibilidade, o enunciado do CNJ corrobora com o artigo 57 da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (LOMAN), que dispõe sobre a possibilidade jurídica da imposição da penalidade de disponibilidade ao magistrado. De acordo com o texto da Lei, após dois anos o magistrado pode solicitar o seu aproveitamento. Outros processos Os enunciados administrativos são atos do CNJ que apresentam orientações de julgamento a serem adotados pelo Plenário do Conselho. Eles têm origem em várias decisões julgadas no mesmo sentido, sedimentadas em um enunciado. O DJe do dia 10/9 traz ainda enunciado segundo o qual o CNJ não pode apreciar novos processos cuja causa ainda esteja pendente de julgamento no órgão. Outra decisão diz respeito a impossibilidade de o CNJ julgar causas de natureza inpidual e totalmente desprovidas de interesse geral. No campo dos concursos públicos, também foi publicado Enunciado Administrativo que impede o CNJ de deliberar sobre o conteúdo de questões ou os parâmetros de conhecimento utilizados na formulação ou correção de provas pelas Comissões de Concursos.
14/09/2018 (00:00)

Notícias

Cadastre-se

E acompanhe todas as novidades do nosso Escritório

Contate-nos

Advogado Criminal Rio RJ  672812
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.